Espermograma: por que deve ser feito em laboratório de confiança?
18 fevereiro, 2015
Índice de fragmentação do DNA espermático: para que serve e quando devo fazer?
28 fevereiro, 2015

Tenho câncer de tireóide: devo congelar o sêmen?

Por Dr. Conrado Alvarenga

Effects of radioiodine treatment for differentiated thyroid cancer on testis function – Clinical Endocrinology (2014) doi: 10.1111/cen.12514

Este post é um alerta para colegas médicos e pacientes portadores de câncer da tireóide. Relatamos neste post, baseados neste artigo recente da revista Clinical Endocrinology, os possíveis efeitos da terapia com iodo radioativo nas funções testiculares, principalmente na produção de espermatozóides e nos níveis de alguns hormônios, como o FSH e a testosterona. A terapia com 131-I ( iodo-radioativo ) é o tratamento padrão para o câncer de tireóide (DTC) e é utilizada tanto como ablação pós-cirúrgica para doença remanescente como para a doença metastática. Também é utilizada cada dia mais como primeira linha para o hipertireoidismo de Graves e para o bócio nodular tóxico.

Embora a fertilidade e sua preservação seja assunto extremamente importante para estes pacientes jovens do sexo masculino, uma recente revisão sistemática sobre os efeitos da terapia com radio-iodo nestes casos incluiu apenas 6 trabalhos científicos. Isto é surpreendente, considerando que a maioria destes paciente com câncer bem diferenciado da tireóide são diagnosticados em idade reprodutiva, com média de idade de 45 anos ao diagnóstico. Além disso, como a maioria deles é tratada em estágio inicial da doença, as taxas de cura e sobrevida são elevadíssimas, nos levando a concluir que o potencial repdrodutivo deve estar em foco durante todo o tratamento.

A maioria dos trabalhos levantados nesta revisão revelou como efeitos principais do radio-iodo nas funções testiculares: 1- Aumento nos níveis de FSH (demonstrando sinais indiretos de lesão testicular), 2- Redução na quantidade de espermatozóides e 3-Redução na motilidade dos espermatozóides, após o tratamento com radio-iodo. Comparou-se também homens que haviam sido tratados com uma unica dose de 131-I com homens submetidos a múltiplas doses, por doença metastática ou recorrente.

Portanto se a pergunta é: Tenho câncer de tireóide e penso ainda em ter filhos, devo congelar meu sêmen? A resposta hoje, baseada em evidências, é: Sim, sem dúvida alguma, devemos congelar amostras de sêmen antes do tratamento, idealmente antes da radio-iodoterapia, levando em consideração também que novos trabalhos científicos serão necessários futuramente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre em Contato
1
Agradecemos o seu contato. Como podemos ajudar?
Powered by